Sem CPIs nem reformas, Congresso termina 2011 em baixa

O primeiro ano da presidente Dilma Rousseff no Palácio do Planalto e julgamentos importantes no Supremo Tribunal Federal (STF) ofuscaram a Câmara dos Deputados e o Senado, relegados a terceiro plano no cenário político nacional em 2011. Além da salvação da deputada federal Jaqueline Roriz (PMN-DF), dos holofotes mal aproveitados em audiências públicas com suspeitos de corrupção e das costumeiras rixas partidárias, pouco aconteceu por iniciativa dos parlamentares.
O governo Dilma, por seu lado, não enviou ao Congresso nenhuma proposta de reforma, com exceção do novo Código Florestal. E viabilizou a ida de seis ministros à Câmara e ao Senado para se explicarem depois de denúncias de má gestão, tráfico de influência, caixa dois partidário, corrupção ativa, entre outros. A maioria avassaladora do governismo, que só exclui PSDB, DEM, PPS e setores de outras legendas, inviabilizou qualquer Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI).
Mesmo assim, o Legislativo se limitou a aprovar sugestões do Executivo ou viu seu papel esvaziado pelo Supremo, como no julgamento da lei da Ficha Limpa. No apagar das luzes de 2011, o Senado ainda ameaçou retribuir, aprovando uma regulamentação sobre a atuação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), dias depois de o ministro do STF Marco Aurélio de Mello ter decidido limitar a atuação do órgão. Não conseguiu: a sessão foi adiada.
Para vários parlamentares governistas, o sinal de que o Legislativo teria um ano opaco veio na votação do salário mínimo para o ano. Foi estipulada uma política de reajuste, levando em conta a inflação e o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), que tira do Congresso a prerrogativa de estipular o valor. “A política é boa, mas um reajuste de R$ 540 para R$ 545 é uma afronta aos trabalhadores”, disse na época o deputado Paulo Pereira da Silva (SP), que também é presidente da Força Sindical. Dilma não refugou.
Desde então, o Congresso só contrariou a presidente na votação do novo Código Florestal na Câmara, quando ruralistas e governistas insatisfeitos decidiram perdoar infratores que até 2008 desmataram Áreas da Proteção Permanente (APP). A proposta de reforma passou pelo Senado com um texto mais palatável ao Palácio do Planalto e ficou para ser votada novamente pelos deputados em 2012.
O que passou
“Foi nossa única derrota”, lembra o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP). “Mas todos os projetos do Executivo que chegaram acabaram aprovados. É fruto da nossa articulação e da importância desses projetos.” Ele próprio, no entanto, foi a outra derrota de Dilma no Congresso: ela preferia o petista paulista, não o gaúcho Marco Maia, na presidência da Casa. O governo também se sentiu derrotado ao não aprovar neste ano a Lei Geral da Copa do Mundo de 2014.
Em meio à crise financeira internacional, o Congresso concluiu em tempo a prorrogação da Desvinculação de Receitas da União (DRU) até 2015. Oposicionistas preferiam fazê-lo até 2013. “A Câmara precisa ter essa força para voltar a discutir o assunto antes do fim do governo Dilma”, repetiu o líder do PSDB na Casa, Duarte Nogueira (SP). Não deu certo.
Mais polêmica que a DRU foi outra sigla: o RDC (Regime Diferenciado de Contratações). A Câmara e o Senado aprovaram o mecanismo sugerido por Dilma para acelerar licitações com vistas à Copa do Mundo e às Olimpíadas do Rio de Janeiro. Os críticos da iniciativa viram na nova possibilidade um teste para alterar a controversa Lei das Licitações Públicas.
Se o RDC atraiu críticas, a regulação da Emenda 29 foi um ponto alto para os parlamentares. A medida define que o governo investirá em saúde o mesmo que no ano anterior mais a variação do PIB. Os Estados gastarão 12% do que arrecadam com impostos, e os municípios aplicarão 15% da receita.
O Congresso aprovou a criação de um cadastro positivo, informando quem são os bons pagadores. Esses terão vantagens para obter crédito, comprar e investir. Além disso, estendeu 50% os limites do Supersimples, permitindo mais acesso ao regime simplificado de tributação. A barreira subiu de R$ 240 mil para R$ 360 mil para microempresas e de R$ 2,4 milhões para R$ 3,6 milhões para as pequenas empresas
Ainda no campo das desonerações, deputados e senadores aprovaram a MP dos tablets, reduzindo impostos para equipamentos desse tipo produzidos no Brasil. Também endossaram a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da Música, dando imunidade tributária a produções fonográficas brasileiras com músicas de autores nacionais.
O Congresso aprovou ainda a construção de um trem de alta velocidade entre Rio de Janeiro e São Paulo. A operação custará ao menos R$ 40 bilhões. Também foi aprovado em 2011 o aumento do aviso prévio de 30 para 90 dias para demissões sem justa causa, dependendo do tempo de trabalho do funcionário na empresa.
UOL

    Pesquise as licitações no seu segmento agora

    Preencha seus dados para concluir a pesquisa

    Confira quantas oportunidades de venda existem no momento.
    Digite nome, e-mail e telefone para ver os resultados.





    Oportunidades de negócio esperando por você

    Aproveite o nosso período de teste gratuito e tenha sucesso no mercado de licitações.

    Licitações e dispensas