PF indicia 22 por fraudes em licitações do PAC .

A Polícia Federal de Mato Grosso encaminhou ontem à Justiça Federal a conclusão do inquérito sobre supostas fraudes em licitações do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), do governo federal, nas cidades de Cuiabá e Várzea Grande. Ao todo, 22 pessoas foram indiciadas sob suspeita de envolvimento no esquema, que foi alvo da Operação Pacenas, deflagrada em agosto pela PF.

Na ocasião, foram cumpridos 11 mandados de prisão e 31 de busca e apreensão em Mato Grosso, São Paulo, Goiás e no Distrito Federal. Os indiciados não tiveram os nomes divulgados pela PF.

Entre os presos estavam o advogado José Antônio Rosa, ex-procurador da Prefeitura de Cuiabá, e quatro servidores que atuavam nas comissões de licitação da Sanecap (Companhia de Saneamento da Capital) –sigla que, invertida, batizou a operação da PF.

Também foram detidos o ex-prefeito de Cuiabá Anildo Lima Barros e Carlos Avalone, vice-presidente da Federação das Indústrias de MT. Todos os suspeitos foram depois soltos por decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

Segundo a PF, licitações para quase R$ 400 milhões em investimentos nas duas cidades foram direcionadas em benefício das empreiteiras Gemini (administrada por Lima Barros), Três Irmãos (de Carlos Avalone) e Concremax.

“Força política”

Ontem, em nota, a PF disse ter encontrado provas dos crimes de fraude à licitação e formação de quadrilha. Em um dos computadores apreendidos na operação, diz a polícia, havia instruções sobre como fraudar licitações do PAC.

“As empresas integrantes do esquema contam com grande força política, seja por pertencerem a políticos conhecidos em Mato Grosso ou por intenso contato de seus proprietários com políticos municipais”, disse a PF, na nota.

O advogado Ulisses Rabaneda, que defende o ex-procurador José Antônio Rosa, disse ontem que ainda não havia tido acesso ao relatório, mas falou que a investigação não provou “absolutamente nada”.

Huendel Wender, que atua na defesa do ex-prefeito Anildo Lima Barros, disse que seu cliente está “tranquilo” e que as acusações são “totalmente infundadas”.

O advogado Paulo Fabrinny, que representa Avalone e o empreiteiro Jorge Pires de Miranda, da Concremax, chamou de “surreal” a investigação da PF. “O inquérito não tem pé nem cabeça, só gravações interpretadas de forma errônea ou tiradas de seu contexto.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Pesquise as licitações no seu segmento agora

    Preencha seus dados para concluir a pesquisa

    Confira quantas oportunidades de venda existem no momento.
    Digite nome, e-mail e telefone para ver os resultados.





    Oportunidades de negócio esperando por você

    Aproveite o nosso período de teste gratuito e tenha sucesso no mercado de licitações.

    Licitações e dispensas