MP suspende licitação da Prefeitura de Cuiabá de recolhimento de lixo

Da Redação – Kelly Martins e Marcos Coutinho

Sob pressão do Ministério Público Estadual (MPE) a Prefeitura Municipal de Cuiabá decidiu suspender o processo licitatório para a contratação de empresa especializada em recolhimento, tratamento e reciclagem dos resíduos sólidos da construção civil. A informação foi confirmada há pouco pelo promotor Mauro Zaque, titular da Promotoria de Patrimônio Público e Probidade Administrativa, ao Olhar Direto.

“A iniciativa é muito boa e louvável. Mas não dá forma como foi feita, beneficiando apenas uma empresa e de forma questionável”, frisou Zaque observando que uma rodada de conversações será realizada com o município e o Sindicato das Indústrias da Construção Civil do Estado (Sinduscon).

Questionado sobre o assunto, o prefeito Wilson Santos (PSDB) negou qualquer irregularidade no projeto e afirmou se tratar de um avanço extraordinário na questão ambiental da cidade. “O Ministério Público pode investigar e vai verificar que não há nada. Porém entendo a iniciativa do órgão e até mesmo estamos em um período eleitoral”, pontuou.

Em Cuiabá, são produzidas mais de 785 toneladas de lixo da construção civil por dia e o Plano de Gestão de Resíduos Sólidos da Construção Civil foi aprovado pela Câmara de Vereadores. Coordenado pelas Secretarias de Meio Ambiente e Infraestrutura, o programa também visava a instalação de um Ecoponto nas regiões da cidade, local destinado especificamente à recepção de resíduos. A meta da Prefeitura era instalar 24 Ecopontos em Cuiabá.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Pesquise as licitações no seu segmento agora

    Preencha seus dados para concluir a pesquisa

    Confira quantas oportunidades de venda existem no momento.
    Digite nome, e-mail e telefone para ver os resultados.





    Oportunidades de negócio esperando por você

    Aproveite o nosso período de teste gratuito e tenha sucesso no mercado de licitações.

    Licitações e dispensas