Monotrilho de Manaus precisará de uma nova licitação, diz MPF-AM

De acordo com o procurador-chefe do MPF-AM, Athayde Ribeiro Costa, o certame realizado foi baseado em um mprojeto repleto de irregularidades, e não é válido.

Manaus – Caso todas as irregularidades no projeto básico do Monotrilho de Manaus sejam sanadas, o governo do Estado ainda precisará realizar um novo processo licitatório para dar andamento à obra, que é a principal alternativa de mobilidade urbana da capital para a Copa de 2014. Foi o que confirmou nesta quarta-feira o procurador-chefe do Ministério Público Federal no Amazonas (MPF-AM), Athayde Ribeiro Costa, durante audiência pública na Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM).

De acordo com o Procurador, há mais de dois anos o MPF-AM e a Controladoria Geral da União (CGU) apontaram uma série de irregularidades no projeto básico do Monotrilho, e notificaram o governo do Estado por diversas vezes. No entanto, as mudanças não foram realizadas, o que fez com que o órgão encaminhasse um expediente para a Caixa suspendendo o repasse dos R$ 600 milhões destinados para a obra.

“Estamos aguardando uma posição do governo, que não se mostrou disposto a mudar o projeto básico. No entanto, ainda que todas as irregularidades sejam sanadas, será necessário realizar uma nova licitação, já que o certame realizado foi baseado em um projeto repleto de vícios”, explicou. Athayde adiantou que acha praticamente impossível que todas as alterações sejam feitas a tempo, já que as irregularidades são graves e o tempo para a execução da obra é “relativamente curto”.

A audiência foi realizada pela Comissão de Transporte, Trânsito e Mobilidade (CTTM) da ALE-AM, presidida pelo deputado Marcelo Ramos (PSB), e também contou com a presença de um representante da Caixa Econômica Federal, responsável por financiar a obra. O Secretário Municipal de Infraestrutura (Seminf), Américo Gorayeb e o Coordenador da Unidade Gestora da Copa (UGP-Copa), Miguel Capobiango, mas eles não compareceram.

Marcelo Ramos lamentou a ausência de representantes do governo do Estado e da Prefeitura na audiência, que foi proposta por ele para esclarecer a demora nas obras de mobilidade da Copa. Ele disse também que a necessidade de um novo certame praticamente inviabiliza o processo. “Se as obras estivessem começado em outubro, como prometeu o governador, já estaríamos no limite. Se for necessário começar do zero, aí é que fica cada vez mais difícil ter o Monotrilho até 2014.

O representante da Caixa na audiência, André Fernandes, confirmou a gravidade dos entraves que impedem a continuidade das obras do Monotrilho. Ele disse que a liberação dos recursos está suspensa sob recomendação da CGU e do MPF, e que deve continuar assim até que as mudanças no projeto aconteçam. Mas ele também admite que será necessário uma nova licitação da obra. “ É uma situação complicada, e o governo precisa se posicionar com relação a isso para que as coisas possam andar”.

Procurado pela reportagem do D24am, o coordenador da UGP-Copa, Miguel Capobiango, disse não ter nada a declarar quanto as afirmações de Athayde. Para ele, o procurador têm trabalhado com “especulações”.

BRT

Em conseqüência aos problemas do Monotrilho, a execução da obra do BRT também deve ser comprometida, segundo informou Fernandes. “Os dois projetos são complementares. Isso faz com que a liberação da primeira parcela do BRT esteja condicionada ao andamento do processo do Monotrilho. Se um não sair, o outro também não sairá”, explicou. Ele informou também que o BRT tem falhas no edital de licitação, mas a Prefeitura de Manaus já se comprometeu em solucionar antes do certame.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Pesquise as licitações no seu segmento agora

    Preencha seus dados para concluir a pesquisa

    Confira quantas oportunidades de venda existem no momento.
    Digite nome, e-mail e telefone para ver os resultados.





    Oportunidades de negócio esperando por você

    Aproveite o nosso período de teste gratuito e tenha sucesso no mercado de licitações.

    Licitações e dispensas