Funcionários do Centro de Operações Rio reclamam de falta de manutenção e atraso nos salários

Trabalhadores dizem que estão sem receber o mês de junho e o pagamento de férias. Prefeitura alega que atraso é de dias.

Funcionários do Centro de Operações da Prefeitura do Rio (COR) denunciam atraso nos salários e abandono das instalações. Segundo trabalhadores, a prefeitura não fez o pagamento ao Consórcio Operações Rio, o que teria comprometido o pagamento do mês de junho e das férias.

“O COR está abandonado. Do telão de 100 telas com 46 polegadas cada, 16 estão queimadas. Nosso salário de junho não foi pago, e não temos previsão para receber nem o salário nem as férias”, diz funcionário.

Ele diz que esse atraso afeta setores como limpeza, informática, operação, adminstração, manutenção e motoristas.

“O consórcio está há quatro meses sem pagamento. Vários funcionários do COR estão trabalhando como motorista de aplicativo para conseguir pagar as contas”, emenda.

Outro colaborador do espaço diz que os problemas começaram há um ano e meio. “A prefeitura não está dando a mesma importância de antes. Há falta de insumos, equipamentos e agora o nosso salário, e ninguém fala nada. Não vimos nenhum empenho em melhorar isso, nem por parte da Prefeitura, nem da atual gestão do COR. Estamos a deriva! O que parece é que COR está sem comandante!”, lamenta.

Em nota, o Centro de Operações Rio informou que há atraso salarial de quatro dias referentes ao mês de junho, com previsão de pagamento para o dia 20 de julho.

O que é o COR
O Centro de Operações Rio (COR) foi o primeiro equipamento olímpico entregue pela Prefeitura do Rio, em dezembro de 2010, seis anos antes dos Jogos Olímpicos de 2016. Atualmente o prédio funciona como quartel-general de integração das operações urbanas no município.

Segundo a prefeitura, cerca de 30 órgãos estão integrados no edifício para monitorar a operação da cidade e minimizar seus impactos na rotina do cidadão ou durante a realização de grandes eventos.

Cerca de 800 câmeras da prefeitura são monitoradas pela equipe do COR, que também tem acesso a outras 700 gerenciadas por concessionárias de serviços públicos e pela Secretaria Estadual de Segurança Pública. Todas as câmeras e informações de sensores e softwares podem ser visualizadas de forma integrada em um telão de 65 metros quadrados na sala de controle.

COR diz que atraso é de dias
Em nota, o Centro de Operações Rio informou que há atraso salarial de quatro dias referentes ao mês de junho, com previsão de pagamento para o dia 20 de julho.

A Secretaria de Fazenda informa que os pagamentos serão realizados o quanto antes, tão logo as receitas se realizem.

Sobre as telas apagadas, o órgão afirmou que os monitores em manutenção do videowall do COR “não afetam a capacidade de monitoramento da cidade, uma vez que há outras 167 telas (entre telões e PCs dos postos de trabalho) funcionando normalmente”.

“Os dados que alimentam o videowall estão à disposição, 24 horas/dia, dos técnicos, profissionais e parceiros do COR, por meio de rede de computadores, não causando nenhum prejuízo às operações”, acrescenta o órgão.

O COR finaliza processo técnico para realizar licitação, prevista para agosto deste ano, para adquirir novos telões. Com relação às câmeras do legado olímpico, também está em curso licitação para aquisição de novos equipamentos e manutenção do parque atual.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Pesquise as licitações no seu segmento agora

    Preencha seus dados para concluir a pesquisa

    Confira quantas oportunidades de venda existem no momento.
    Digite nome, e-mail e telefone para ver os resultados.





    Oportunidades de negócio esperando por você

    Aproveite o nosso período de teste gratuito e tenha sucesso no mercado de licitações.

    Licitações e dispensas