Espanhola Talgo pode participar de leilão do TAV se data for adiada

A fabricante espanhola de ferrovias Talgo assinalou nesta segunda-feira que as negociações para participar de um consórcio de licitação para o trem de alta velocidade (TAV) entre Rio de Janeiro e São Paulo “estão avançadas”, mas reconheceu que sua participação está condicionada ao adiamento do leilão.

“Estamos em negociações para participar desse consórcio. As negociações estão avançadas”, disse o executivo-chefe da Talgo, José Maria Oriol, em entrevista coletiva realizada em São Paulo.

O executivo assegurou que, atualmente, negociam com outras empresas, tanto brasileiras como espanholas, e que a oferta está “praticamente pronta”, mas admitiu que não é possível completar a proposta antes de 11 de abril, data limite para a apresentação dos documentos.

“Se não houver uma mudança de data acho praticamente impossível montar uma oferta dessa magnitude”, assegurou Oriol.

Em sua opinião, o principal beneficiado de um adiamento do leilão é o Governo brasileiro, porque nesse caso serão apresentados mais concorrentes.

A licitação do trem bala estava prevista para o mês de dezembro, mas o Governo decidiu adiar para 29 de abril o leilão, para o qual mostraram interesse empresas da Espanha, França, Alemanha, China e Coreia do Sul.

No entanto, um consórcio sul-coreano era o único que tinha todos os documentos preparados para participar da licitação de dezembro.

Nessa ocasião, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) decidiu adiar o leilão devido à pressão do setor ferroviário.

O projeto já sofreu vários atrasos. Em um primeiro momento, devia começar a funcionar antes da Copa do Mundo de 2014, mas parece cada vez mais difícil que a obra acabe antes dos Jogos Olímpicos de 2016, já que devem durar seis anos.

O Governo brasileiro calcula que o investimento total do projeto será próximo aos US$ 35 bilhões.

Oriol explicou que em um projeto com estas características o total do investimento de material rodante costuma oscilar entre 7% e 10% do total, dependendo das complicações da orografia.

O executivo da Talgo se mostrou confiante na qualidade dos trens de sua companhia, por serem “entre 25% e 30% mais rápidos” que a concorrência, o que implica um menor consumo energético que pode gerar uma redução tarifária.

Em sua opinião, o sucesso do projeto depende, em grande medida, do preço do trajeto, que qualificou como o elemento “mais sensível”.

Além disso, disse que a rentabilidade deve ser medida em parâmetros “sociais”, já que uma rede de transporte ferroviário de passageiros “retira pessoas das estradas, alivia os aeroportos e tem pouco impacto no meio ambiente”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Pesquise as licitações no seu segmento agora

    Preencha seus dados para concluir a pesquisa

    Confira quantas oportunidades de venda existem no momento.
    Digite nome, e-mail e telefone para ver os resultados.





    Oportunidades de negócio esperando por você

    Aproveite o nosso período de teste gratuito e tenha sucesso no mercado de licitações.

    Licitações e dispensas