Empresa paranaense participará da ampliação do aeroporto de Cumbica

Rodrigo Feres

A empresa paranaense de arquitetura PJJ Malucelli foi uma das vencedoras da licitação para a construção do terceiro terminal do Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, São Paulo. A previsão é de que ao menos 40% da obra esteja entregue ao final de 2013.

Segundo o diretor do contrato, Luiz Caron, as obras são necessárias não só devido a vinda da Copa para o Brasil, mas também por problemas de infra-estrutura do País. “São mais de 20 anos sem investimento. Hoje, o Brasil está pronto para crescer. Estamos caminhando para parte final do contrato. Além da construção do terceiro terminal em Cumbica, faremos uma reforma radical no terminal 1 e 2 do Galeão, no Rio de Janeiro para darmos mais conforto aos passageiros. Traremos conceitos bastante novos para construção”, explicou.

Especialistas dizem que em 2014 Cumbica receberá cerca de 40 milhões de passageiros. Com a construção do terceiro terminal, a capacidade será ampliada para 30 milhões de pessoas. “O estudo de demanda foi feito e será acrescentado 12 milhões de passageiros. Aliada a outras mudanças que faremos, Guarulhos ficará pronto para atender a uma demanda de 38 milhões”, garantiu Caron.

Luiz Caron também falou sobre os problemas que atingem Curitiba e citou o aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, região metropolitana. “Não acho que a Copa do Mundo crie uma demanda tão extraordinária. Curitiba precisa de acessibilidade dentro da cidade. É preciso planejamento estratégico”, concluiu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Pesquise as licitações no seu segmento agora

    Preencha seus dados para concluir a pesquisa

    Confira quantas oportunidades de venda existem no momento.
    Digite nome, e-mail e telefone para ver os resultados.





    Oportunidades de negócio esperando por você

    Aproveite o nosso período de teste gratuito e tenha sucesso no mercado de licitações.

    Licitações e dispensas