CPI DA CELG.

Re­pas­se de R$ 78 mi à Ca­oa se­rá in­ves­ti­ga­do

A mon­ta­do­ra de ve­í­cu­los te­ria sa­ca­do a quantia na estatal pa­ra aba­ter em in­cen­ti­vos fis­cais que re­ce­beu do go­ver­no. O re­pas­se po­de ser ain­da su­pe­ri­or

ANDRÉIA BAHIA

A CPI da Celg de­ve in­ves­ti­gar nos pró­xi­mos di­as a in­for­ma­ção de que a Celg te­ria re­pas­sa­do cer­ca de R$ 78 mi­lhões à mon­ta­do­ra de ve­í­cu­los Hyun­dai, con­tro­la­da pe­la Ca­oa, do em­pre­sá­rio Car­los Al­ber­to de An­dra­de. O va­lor te­ria si­do en­tre­gue na pró­pria Celg, em di­nhei­ro e che­ques. O atu­al pre­si­den­te da com­pa­nhia, Car­los Sil­va, des­co­nhe­ce es­sas ne­go­ci­a­ções, que em se­tem­bro do ano pas­sa­do fo­ram de­nun­ci­a­das aqui no Jor­nal Op­ção pe­lo pre­si­den­te do Sin­di­ca­to dos Fun­cio­ná­rios do Fis­co em Go­i­ás (Sin­di­fis­co), en­ge­nhei­ro elé­tri­co Bel­mi­ro Ro­sa Bor­ges. Na épo­ca, ele dis­se o se­guin­te em en­tre­vis­ta ao jor­nal: “A Ca­oa sa­cou R$ 78 mi­lhões na Celg por­que ti­nha mais be­ne­fí­cio que im­posto a aba­ter e foi au­to­ri­za­do que a em­pre­sa trans­fe­ris­se o cré­di­to pa­ra a Celg. O Es­ta­do de­vol­ve o di­nhei­ro do be­ne­fí­cio por in­ter­mé­dio da Celg. Na ges­tão do se­cre­tá­rio Jor­ce­lino Bra­ga is­so pra­ti­ca­men­te aca­bou ou qua­se aca­bou, mas an­tes de­le ti­nha mui­ta trans­fe-rên­cia de cré­di­to pa­ra a Celg au­to­ri­za­da por meio de ter­mo de acor­do.”

Car­los Sil­va tam­bém ou­viu fa­lar que o ICMS que a Celg de­via ao Es­ta­do ia di­re­ta­men­te pa­ra a Ca­oa, “não sei por qua­is ins­tru­men­tos por­que eu não os te­nho e tam­bém não sei os va­lo­res”. Se­gun­do ele, nes­te cur­to es­pa­ço de tem­po que es­tá à fren­te da Celg não foi pos­sí­vel fa­zer um tra­ba­lho in­ves­ti­ga­ti­vo. “Até que eu te­nha a de­vi­da in­for­ma­ção so­bre is­so a Celg pa­ga ICMS pa­ra o go­ver­no, pa­ra a Se­cre­ta­ria da Fa­zen­da. Não ve­jo ou­tra for­ma de fa­zer. Se che­ga­va à Fa­zen­da e ia pa­ra a Hyun­dai e já fi­ca­va se­pa­ra­do, is­so eu não sei. Mas im­pos­to tem de ser pa­go pa­ra o Te­sou­ro Es­ta­du­al, não tem ou­tra for­ma de pa­gar im­pos­to.”

A con­ces­são de cré­di­tos ou­tor­ga­dos à Ca­oa faz par­te de uma in­ves­ti­ga­ção fei­ta pe­lo pro­cu­ra­dor do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co jun­to ao TCE Fer­nan­do dos San­tos Car­nei­ro. A in­ves­ti­ga­ção tem co­mo ob­je­to os in­cen­ti­vos con­ce­di­dos à mon­ta­do­ra e re­sul­tou no pe­di­do de sus­pen­são des­ses be­ne­fí­ci­os fis­cais e fi­nan­cei­ros, in­clu­si­ve aque­les que per­mi­ti­ram ao go­ver­no con­ce­der cré­di­to ou­tor­ga­do. Em maio des­te ano, o pro­cu­ra­dor afir­mou ao Jor­nal Op­ção que os be­ne­fí­ci­os con­ce­di­dos à mon­ta­do­ra apre­sen­tam di­ver­sas ir­re­gu­la­ri­da­des, en­tre as qua­is o fa­to de o cre­di­to ou­tor­ga­do que ocor­reu sem so­li­ci­ta­ção da Ca­oa e sem au­to­ri­za­ção da Se­cre­ta­ria da Fa­zen­da. “Pe­lo me­nos não cons­tam nos au­tos”, diz.

No con­tra­to en­tre o go­ver­no de Go­i­ás e a mon­ta­do­ra, o Es­ta­do con­ce­de cré­di­tos ou­tor­ga­dos à Ca­oa no va­lor de R$ R$ 40 mi­lhões, sen­do R$ 2,1 mi­lhões nos pri­mei­ros dez mes­es e R$ 1,375 mi­lhão nos 14 mes­es se­guin­tes, pa­ra se­rem uti­li­za­dos no pa­ga­men­to de ICMS, sub­sti­tui­ção tri­bu­tá­ria e trans­fe­rên­cia a ou­tros con­tri­buin­tes. Na épo­ca, Fer­nan­do Car­nei­ro já cha­ma­va a aten­ção pa­ra o fa­to de o va­lor do cre­di­to ou­tor­ga­do ter si­do al­te­ra­do por ter­mos adi­ti­vos, pas­san­do dos R$ 40 mi­lhões ini­ci­ais pa­ra R$ 78 mi­lhões. O con­se­lhei­ro Se­bas­ti­ão Te­jo­ta, re­la­tor da me­di­da cau­te­lar, ne­gou o pe­di­do do pro­cu­ra­dor por­que con­si­de­rou que a sus­pen­são dos be­ne­fí­ci­os po­de­ria re­sul­tar em pre­ju­í­zo ju­rí­di­co pa­ra o Es­ta­do. O con­se­lhei­ro ad­mi­tiu, na épo­ca, que não ava­liou o au­men­to do cré­di­to ou­tor­ga­do por­que con­si­de­rou que es­se era as­sun­to ju­ris­di­cio­na­do do Es­ta­do.

Até ago­ra, a CPI da Celg não avan­çou em te­mas des­co­nhe­ci­dos e a in­ves­ti­ga­ção a res­pei­to da re­la­ção Celg e Hyun­dai po­de­ria tra­zer à luz ou­tras ope­ra­ções não di­vul­ga­das da em­pre­sa e que cer­ta­men­te en­di­vi­da­ram a em­pre­sa. Os de­pu­ta­dos que com­põ­em a co­mis­são não con­se­guem sa­ir da dis­cus­são so­bre a con­tra­ta­ção de es­cri­tó­rios de ad­vo­ca­cia sem li­ci­ta­ção, mais pre­ci­sa­men­te dos ad­vo­ga­dos Adil­son Ra­mos Jú­ni­or e Al­ci­mar de Al­mei­da. Se­gun­do in­for­ma­ções da CPI, a Celg pa­gou mais de R$ 40 mi­lhões em ho­no­rá­rios ad­vo­ca­tí­ci­os, sen­do que so­men­te pa­ra Al­ci­mar de Al­mei­da fo­ram pa­gos cer­ca de R$ 14 mi­lhões e pa­ra Adil­son Ra­mos, al­go em tor­no de R$ 18 mi­lhões.

A con­tra­ta­ção de ad­vo­ga­dos sem li­ci­ta­ção foi in­ves­ti­ga­da pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (MP), que pro­pôs ação por ato de im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va con­tra os ex-di­re­to­res da Celg, Jo­sé Pau­lo Lou­rei­ro, Ja­va­hé de Li­ma, Adal­ber­to An­tô­nio de Oli­vei­ra, Ra­fa­el Mu­ro­lo Fi­lho e An­tô­nio Bau­er Ba­tis­ta e o ad­vo­ga­do Adil­son Ra­mos Jú­ni­or. Na ação, que es­tá na 1ª Va­ra da Fa­zen­da Pú­bli­ca pa­ra ser jul­ga­da, o MP pe­de o blo­queio de bens de to­dos os ex-di­re­to­res da Celg e do ad­vo­ga­do Adil­son Ra­mos em mais de R$ 17 mi­lhões e re­quer tam­bém a que­bra do si­gi­lo ban­cá­rio e fis­cal de to­dos os acio­na­dos.

O MP tam­bém pro­pôs ação por im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va em ra­zão da con­tra­ta­ção, sem li­ci­ta­ção, do es­cri­tó­rio do ad­vo­ga­do Al­ci­mar de Al­mei­da, que re­ce­beu da Celg cer­ca de R$ 14 mi­lhões. Es­sa ação foi jul­ga­da im­pro­ce­den­te pe­lo ju­iz Sér­gio Di­vi­no Car­va­lho, que tam­bém con­de­nou o MP a pa­gar R$ 600 a Al­ci­mar de Al­mei­da re­fe­ren­te às des­pe­sas do es­cri­tó­rio. O MP en­trou com dois re­cur­sos con­tra a sen­ten­ça. O pri­mei­ro pe­din­do o afas­ta­men­to do ju­iz do ca­so por meio de uma ação de ex­ce­ção de sus­pei­ção. O MP ar­gu­men­ta que o ju­iz foi par­ci­al em sua de­ci­são. Na se­gun­da ação o MP con­tes­ta a de­ci­são do ju­iz, que tam­bém não per­mi­tiu a que­bra do si­gi­lo ban­cá­rio do ad­vo­ga­do.

O ad­vo­ga­do Al­ci­mar Al­mei­da ob­ser­va que o MP tem to­do o di­rei­to de en­trar com re­cur­so con­tra a de­ci­são do ju­iz, mas não po­de pe­dir o afas­ta­men­to de Sér­gio Di­vi­no Car­va­lho “ata­can­do a sua fi­gu­ra”. A CPI da Celg tam­bém ten­tou que­brar o si­gi­lo ban­cá­rio dos dois ad­vo­ga­dos, mas o pe­di­do não foi aca­ta­do. Foi apro­va­da a con­vo­ca­ção de Adil­son Ra­mos Jú­ni­or e Al­ci­mar Al­mei­da, que an­te­ci­pou à re­por­ta­gem do Jor­nal Op­ção que es­tá à dis­po­si­ção dos par­la­men­ta­res, ape­sar de achar que a CPI es­tá to­man­do ca­mi­nhos di­fe­ren­tes da in­ves­ti­ga­ção do en­di­vi­da­men­to da Celg.

So­bre os ho­no­rá­rios re­ce­bi­dos pe­los ser­vi­ços pres­ta­dos à em­pre­sa, Al­ci­mar de Al­mei­da ex­pli­ca que seu es­cri­tó­rio co­brou me­nos do que é pre­co­ni­za­do pe­lo Có­di­go de Pro­ces­so Ci­vil, al­go em tor­no de 10% a 20%. “Re­ce­be­mos 9% da­qui­lo que foi re­cu­pe­ra­do pa­ra a Celg”, afir­ma Al­ci­mar de Al­mei­da. Se­gun­do o ad­vo­ga­do, em 2001, a Celg ha­via per­di­do uma ação tra­ba­lhis­ta no va­lor de R$70 mi­lhões e o es­cri­tó­rio de Al­ci­mar de Al­mei­da con­se­guiu re­du­zir o va­lor da ação pa­ra R$ 28 mi­lhões. Na área de tri­bu­tá­ria e fis­cal, o ad­vo­ga­do con­se­guiu re­cu­pe­rar R$ 70 mi­lhões pa­ra a Celg re­fe­ren­tes a re­co­lhi­men­to equi­vo­ca­do de PIS/CO­FINS.

A es­ta­tal ain­da de­ve re­ce­ber cer­ca de R$ 300 mi­lhões re­fe­ren­tes a uma ação ju­di­cial que co­bra a di­fe­ren­ça pa­ga a mais de PIS/CO­FINS em dez anos e que já foi jul­ga­da pro­ce­den­te em se­gun­da ins­tân­cia. “O que re­ce­be­mos é re­fe­ren­te à so­ma de vá­rios tra­ba­lhos, re­co­lhi­men­to de ICMS, mu­dan­ça de re­gi­me de re­cei­ta pa­ra re­gi­me de cai­xas, sem os des­con­tos.” Ele ex­pli­ca que o con­tra­to fei­to en­tre seu es­cri­tó­rio e a es­ta­tal era de ris­co, ou se­ja, ele só re­ce­be­ria os ho­no­rá­rios a par­tir do mo­men­to em que o di­nhei­ro re­cu­pe­ra­do es­ti­ves­se na con­ta da Celg. Na opi­ni­ão de Al­ci­mar de Al­mei­da, o pe­di­do de que­bra de si­gi­lo ban­cá­rio é uma me­di­da ex­tre­ma. “Ex­põe de­mais as pes­so­as sem sa­ber os re­ais ob­je­ti­vos do MP.” Pa­ra ele, é in­te­res­san­te a CPI in­ves­ti­gar os con­tra­tos que trou­xe­ram re­cei­ta pa­ra a Celg, “e que po­de­ri­am ter si­do fei­tas pe­lo MP, que é quem de­fen­de o pa­tri­mô­nio pú­bli­co”.

Atu­al­men­te, a pro­mo­to­ra Vil­les Mar­ra tem seis pro­ce­di­men­tos en­vol­ven­do con­tra­ta­ção ir­re­gu­lar de ad­vo­ga­dos pe­la Celg. Os con­tra­tos de Al­ci­mar de Al­mei­da e Adil­son Ra­mos Fi­lho e os fir­ma­dos en­tre a es­ta­tal e a In­ter­bra­zil e a Skaf Fa­ria Ad­vo­ga­dos As­so­cia­dos. Há tam­bém uma in­ves­ti­ga­ção so­bre a uti­li­za­ção de ad­vo­ga­dos da Celg pa­ra a de­fe­sa de pro­ces­sos ju­di­ci­ais e ad­mi­nis­tra­ti­vos con­tra di­re­to­res, ge­ren­tes e con­se­lhei­ros da es­ta­tal. O ter­mo de acor­do ce­le­bra­do en­tre a Celg e a Pre­fei­tu­ra de San­ta He­le­na tam­bém es­tá sen­do in­ves­ti­ga­do pe­la pro­mo­to­ra.

Acor­do com San­ta He­le­na — O acor­do en­tre a Celg e a Pre­fei­tu­ra de San­ta He­le­na mo­vi­men­tou a CPI da Celg na quin­ta-fei­ra, 22. O ex-di­re­tor da es­ta­tal Ja­va­hé de Li­ma, em de­poi­men­to à co­mis­são, dis­se que sua as­si­na­tu­ra foi fal­si­fi­ca­da no con­tra­to fir­ma­do en­tre a com­pa­nhia e a pre­fei­tu­ra, que tra­ta do pa­ga­men­to de R$ 8,2 mi­lhões do mu­ni­cí­pio à com­pa­nhia. Dis­cu­tiu-se tam­bém ou­tro acor­do pa­ra pa­ga­men­to des­ta mes­ma dí­vi­da as­si­na­do em 2004, quan­do foi fir­ma­do o pri­mei­ro con­tra­to en­tre a pre­fei­tu­ra da­que­le mu­ni­cí­pio e a Celg e que não te­ria si­do cum­pri­do.

O con­tra­to em vi­gor foi as­si­na­do em 2006 e Ja­va­hé de Li­ma dis­se à CPI que se re­cu­sou a as­si­nar o no­vo ter­mo e que a as­si­na­tu­ra no acor­do não é de­le. Ad­mi­tiu, po­rém, que um es­ta­tu­to in­ter­no da Celg per­mi­te ao pre­si­den­te ou di­re­to­res as­si­na­rem em no­me de ou­tros di­re­to­res em ca­sos da au­sên­cia de um di­re­tor. O pre­si­den­te da Celg, Car­los Sil­va, ex­pli­ca que di­re­tor ne­nhum da Celg pre­ci­sa­ria ter con­cor­da­do por­que se tra­ta­va de uma sen­ten­ça tran­si­ta­da em jul­ga­do. “Não ti­nha co­mo re­ver­ter o pro­ces­so. Fo­ram em to­das as ins­tân­cias, in­clu­si­ve no STF.”

A ação é de 1995 e pas­sou por vá­ri­as ad­mi­nis­tra­ções. “Quan­do co­me­çou, Ra­quel Ro­dri­gues nem pen­sa­va em ser can­di­da­ta al­gum dia. Ela veio a ser pre­fei­ta e o jul­ga­men­to con­clu­iu no man­da­to de­la.” Na sen­ten­ça da Jus­ti­ça, ex­pli­ca o pre­si­den­te, es­ta­va pre­vis­to o blo­queio das con­tas da Celg pa­ra pa­ga­men­to in­te­gral da ação. Pa­ra evi­tar o blo­queio, foi fei­to um acor­do en­tre a Pre­fei­tu­ra de San­ta He­le­na e a Celg pa­ra se che­gar a um en­con­tro de con­tas quan­to às dí­vi­das que o mu­ni­cí­pio te­ria com a Celg e par­ce­lar o dé­bi­to de mo­do que a es­ta­tal pu­des­se cum­prir. “Há ila­ções de que es­se acor­do te­ria si­do as­si­na­do na ges­tão de Al­ci­des Ro­dri­gues, e não foi. O acor­do foi pro­to­co­la­do no Tri­bu­nal de Jus­ti­ça no dia 31 de mar­ço”, ob­ser­va Car­los Sil­va. O pre­si­den­te afir­ma que não hou­ve uma as­si­na­tu­ra re­tro­a­ti­va, co­mo o de­pu­ta­do Da­ni­el Gou­lart afir­mou na CPI da Celg.

Em re­la­ção ao acor­do fei­to em 2004 e que não foi cum­pri­do, Car­lo Sil­va ex­pli­ca que to­dos os 23 mu­ni­cí­pios que par­ti­ci­pa­vam do que es­ta­va sen­do pac­tu­a­do pre­ci­sa­vam as­si­nar o acor­do. “O pre­fei­to de San­ta He­le­na não as­si­nou e o acor­do per­deu a va­li­da­de.” Se­gun­do ele, foi fei­to um ter­mo de acor­do, mas não hou­ve a anuên­cia de um mu­ni­cí­pio por is­so não te­ve va­li­da­de. Em re­la­ção à de­nún­cia de fal­si­fi­ca­ção de as­si­na­tu­ra, Car­los Sil­va ad­mi­te que hou­ve a as­si­na­tu­ra de um di­re­tor pe­lo ou­tro. “No pri­mei­ro acor­do, Ja­va­hé de Li­ma as­si­nou por ele e pe­lo di­re­tor Adal­ber­to An­tô­nio Oli­vei­ra. No se­gun­do ter­mo, Ra­fa­el Mu­ro­lo Fi­lho as­si­nou por Ja­va­hé de Li­ma.” Na opi­ni­ão do pre­si­den­te, a CPI es­tá bus­can­do as in­for­ma­ções sem ob­ser­var com mui­ta con­sis­tên­cia.

O pre­si­den­te vem acom­pa­nhan­do a CPI da Celg à dis­tân­cia. Pa­ra ele, uma vez ins­ta­la­da a CPI es­te é um as­sun­to do po­der le­gis­la­ti­vo. “A ca­sa tem au­to­no­mia pa­ra le­var adi­an­te as in­ves­ti­ga­ções e nós, es­pe­ci­fi­ca­men­te co­mo pre­si­den­te da com­pa­nhia, te­mos que man­ter o nos­so equi­lí­brio, nos man­ter­mos equi­dis­tan­tes, lo­gi­ca­men­te que acom­pa­nhan­do os fa­tos e dis­po­ni­bi­li­zan­do as in­for­ma­ções que por­ven­tu­ra nos fo­rem so­li­ci­ta­das.”

Se­gun­do o pre­si­den­te, as in­ves­ti­ga­ções no par­la­men­to não in­ter­fe­rem nas ne­go­ci­a­ções com a Ele­tro­brás. Ele es­pe­ra que a so­lu­ção en­con­tra­da pa­ra a Celg não se re­fli­ta ape­nas no se­tor ener­gé­ti­co, por­que a es­ta­tal faz par­te de um to­do e ener­gia é uma ques­tão de se­gu­ran­ça e so­be­ra­nia na­ci­o­nal, mas que tam­bém pos­sa aten­der aos in­te­res­ses do Es­ta­do e do po­vo de Go­i­ás. “Pro­cu­rar man­ter a Celg co­mo uma em­pre­sa go­i­a­na, que tam­bém te­nha um tra­ba­lho pa­ra blin­dar a com­pa­nhia con­tra ações ex­ter­nas que não se­jam sua ati­vi­da­de prin­ci­pal e que is­so não in­ter­fi­ra no seu de­sem­pe­nho.”

O pre­si­den­te afir­ma que é fun­da­men­tal que a Celg re­cu­pe­re sua sa­ú­de fi­nan­cei­ra e não acei­te mais as in­ter­fe­rên­cias. “Co­mo já ocor­re­ram e to­dos nós sa­be­mos. Tal­vez is­so se­ja o gran­de mo­ti­vo das gran­des di­fi­cul­da­des que a com­pa­nhia pas­sa ho­je.” E que le­va­ram a Celg a fi­car ina­dim­plen­te com a Ele­tro­brás e di­ver­sas ou­tras em­pre­sas da área. “Nós dei­xa­mos de cum­prir di­ver­sos acor­dos com a Ane­el, de pa­ga­men­to das dí­vi­das, de ma­nu­ten­ção da qua­li­da­de do ser­vi­ço.” A Celg es­tá ina­dim­plen­te des­de 2006. E os pro­ble­mas da es­ta­tal não são ape­nas fi­nan­cei­ros. São de or­dem ope­ra­ci­o­nal, eco­nô­mi­ca, fi­nan­cei­ra, ad­mi­nis­tra­ti­va e po­lí­ti­ca. “Nas atu­ais cir­cun­stân­cias, sem uma par­ce­ria que pos­sa res­ga­tar a Celg, a si­tu­a­ção da com­pa­nhia é mui­to di­fí­cil.” A Ane­el já te­ria mo­ti­vos su­fi­ci­en­tes pa­ra de­cre­tar a in­ca­pa­ci­da­de da con­ces­são.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Pesquise as licitações no seu segmento agora

    Preencha seus dados para concluir a pesquisa

    Confira quantas oportunidades de venda existem no momento.
    Digite nome, e-mail e telefone para ver os resultados.





    Oportunidades de negócio esperando por você

    Aproveite o nosso período de teste gratuito e tenha sucesso no mercado de licitações.

    Licitações e dispensas