Construção de usina de dessalinização da água do mar no litoral paulista esbarra em custo alto

Iniciativa está estimada em R$ 1,5 bilhão e seria feita no modelo de Parceria Público-Privada

Governador Geraldo Alckmin afirmou que a dessalinização era uma hipótese em estudo pela Sabesp Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Governador Geraldo Alckmin afirmou que a dessalinização era uma hipótese em estudo pela Sabesp
Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

O projeto de construir uma usina de dessalinização da água do mar no litoral paulista, que era visto como alternativa de longo prazo para a crise hídrica, não deve seguir adiante devido ao alto custo. Estimado em R$ 1,5 bilhão, o projeto seria feito no modelo de PPP (Parceria Público-Privada). Em fase mais adiantada está outra PPP, cujo edital está atualmente em fase de formatação pelo governo paulista, e que visa reduzir as perdas na rede da Sabesp, onde atualmente cerca de 19% da água tratada é desperdiçada.
No mês passado, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou que a dessalinização era uma “hipótese em estudo pela Sabesp”, mas disse que o custo seria alto. O projeto está em análise na Sabesp e não deve chegar à secretaria executiva do Conselho Gestor de PPP do governo do Estado para ser tocado adiante. Em fevereiro, um consórcio de três empresas, liderado pela CCI Concessões e Construções de Infraestrutura, apresentou a proposta ao governo, com um estudo encomendado pela CCI e elaborado pela consultoria GO Associados indicando que o custo por metro cúbico da usina de dessalinização é competitivo quando comparado a outras alternativas.
A Sabesp, no entanto, já sinalizou que estudos mais detalhados mostraram que o projeto é inviável. “A Sabesp já realizou estudos, porém os custos de implantação e de operação se mostraram elevados para os parâmetros operacionais da companhia”. Outro fator que, segundo a Sabesp, “contribuiu para demonstrar a inviabilidade do projeto” é a característica geográfica da Serra do Mar, onde seria instalada a usina. “A água precisaria ser bombeada para 800 metros de altura, o que tornaria o projeto de difícil aplicação e elevaria ainda mais seu custo”, disse a companhia.
Segundo fonte do setor de saneamento e próxima da Sabesp, o foco do governo estadual agora é uma PPP para reduzir as perdas de água tratada da concessionária e o edital já está em fase de formatação. “Se tudo correr bem, a ideia do governo é de concluir o processo ainda este ano. A Sabesp tem muito interesse nessa PPP”, disse a fonte. A ideia é que empresas realizem obras para reduzir as perdas e que sejam remuneradas com base nos resultados obtidos. Procurada, a Sabesp não se posicionou sobre isso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Pesquise as licitações no seu segmento agora

    Preencha seus dados para concluir a pesquisa

    Confira quantas oportunidades de venda existem no momento.
    Digite nome, e-mail e telefone para ver os resultados.





    Oportunidades de negócio esperando por você

    Aproveite o nosso período de teste gratuito e tenha sucesso no mercado de licitações.

    Licitações e dispensas