Compras de entidades conveniadas à União serão padronizadas

BRASÍLIA – Além de tornar públicas as movimentações financeiras e as prestações de contas das entidades sem fins lucrativos, que recebem recursos federais, a portaria que regulamenta os convênios da União muda as regras para a compra de mercadorias, serviços e obras por essas organizações. De acordo com o governo, a intenção é reduzir custos e evitar o desvio de verbas públicas.
Publicada nesta sexta-feira no Diário Oficial da União, a portaria estabelece que as entidades que tenham convênios com órgãos federais sigam uma tabela de preços e parâmetros determinada pelo governo. Isso, na prática, padroniza as compras e evita o uso de bens fora das especificações de mercado para encobrir superfaturamentos.
– Com a padronização, as irregularidades ficarão mais fáceis de serem detectadas – disse o secretário de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Rogério Santanna. Segundo ele, esse procedimento já é aplicado na compra de ônibus escolares:
– Agora, vamos estender isso para as ambulâncias e qualquer item, que costume ser adquirido nesse tipo de convênio.
Na avaliação do secretário, a economia para os cofres públicos não ocorrerá apenas por causa da prevenção de irregularidades, mas porque a lista de preços e especificações permite a compra em escala com desconto por causa do grande volume de aquisições.
– Na própria tomada de preços, o governo pode negociar para conseguir preços menores – acrescentou Santanna. Ele explicou que as compras com verbas da União continuarão a ser feitas pelas entidades conveniadas, mas essas organizações serão obrigadas a seguir os parâmetros do governo.
O procedimento, destacou o secretário, também será usado para padronizar os projetos de obras mais freqüentes, como escolas, postos de saúde e quadras esportivas. Dessa forma, os estados e municípios não terão mais de apresentar os projetos básicos, reduzindo a burocracia e aumentando a agilidade na aplicação das verbas.
– Os empreendimentos mais comuns também terão as especificações padronizadas – disse Santanna.
Para facilitar a fiscalização, a portaria também limita os valores mínimos dos convênios. Agora, cada contrato deverá valer pelo menos R$ 100 mil. Segundo o secretário, a intenção é restringir as chances de desvio de dinheiro.
– A aplicação de valores menores é mais difícil de ser fiscalizada – justificou. Santanna sugere que as entidades se organizem em consórcios para atingir esse valor.
– Também queremos estimular as parcerias – explicou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Pesquise as licitações no seu segmento agora

    Preencha seus dados para concluir a pesquisa

    Confira quantas oportunidades de venda existem no momento.
    Digite nome, e-mail e telefone para ver os resultados.





    Oportunidades de negócio esperando por você

    Aproveite o nosso período de teste gratuito e tenha sucesso no mercado de licitações.

    Licitações e dispensas